2007-2009: NOVAS FUNDAÇÕES, NOVAS FRONTEIRAS

Dom Geraldo González y Lima, OSB, é Secretário do Abade Primaz e membro da Equipe Internacional da AIM

Mais uma vez, compete-me informar acerca das novas fundações monásticas que surgiram nos últimos dois anos. Embora não haja informação alguma de fundação da Ordem de Cister (OCist), temos, porém, notícias de novas fundações beneditinas (OSB) e trapistas (OCSO).

Entre as fundações da Ordem de São Bento, destacamos:

• Butembo – Beni (República Democrática do Congo)
O Mosteiro do Sacro Volto di Nostro Signore Gesù Cristo, de Giulianova (Itália), da Congregação dos Monges Silvestrinos, fundou o Mosteiro de Saint-Benoît de Butembo. Aos 21 de outubro de 2006, o Bispo diocesano, Mons. Melchisédec Sikuli Paluku, procedeu à bênção do novo Mosteiro. A comunidade conta com dois monges sacerdotes, três professos simples e quatro noviços. Os monges de Giulianova fazem visitas periódicas a fim de apoiá-los com sua presença e ajudar na formação. Para maiores informações:
Monastero S. Silvestre
I-60044 Fabriano (AN)
Itália
Tel.: + (39) 0732 21631
Fax: + (39) 0732 21633

• Na Diocese de Hamilton (Nova Zelândia)
A Congregação das monjas beneditinas de Tyburn que já haviam fundado o Mosteiro de Tyburn, em Bombay, South Auckland, na Nova Zelândia, receberam, em abril de 2008, um convite do Bispo diocesano de Hamilton para uma nova fundação. Aos 24 de setembro de 2008, festa de Nossa Senhora da Misericórdia, adquiriram elas uma propriedade a 25 minutos de Rotorua, cujo endereço é: 74, Dods Rd. Ohakuri. Em meados de março de 2009, tomaram posse da propriedade e começaram a preparar a instalação de sua nova fundação. Para maiores informações: www.tyburnconvent.org.uk.

• Mosteiro de Santa Maria dos Anjos, Redhill, Tigoni (Quênia)
A Abadia de S. Giovanni Battista, no Monte Mario, em Roma, começou no dia 7 de outubro de 2009, festa de Nossa Senhora do Rosário, uma nova experiência monástica em Redhill, Tigoni, no Quênia, que, com a ajuda de Deus, será o futuro Mosteiro de Santa Maria dos Anjos. Por ora, uma monja e duas candidatas estão residindo no Seminário Menor de Ruaraka até que as dependências básicas do Mosteiro estejam prontas para serem habitadas. O endereço da Abadia fundadora na Itália é:
Abbazia S. Giovanni Battista
Via delle Benedettine, 50
I-00135 Roma
Itália
Tel.: + (39) 06 30600121
Fax: + (39) 06 3386167
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

• Mosteiro da Epifania, Havana (Cuba)
Quiçás, a fundação mais esperada, faz tempo, em toda a América Latina, é a do Mosteiro da Epifania do Senhor, na Arquidiocese de Havana, Cuba. O convite foi feito pelo Cardeal Jaime Lucas Ortega y Alaminos, Arcebispo de Havana, com base em uma permissão concedida durante a visita do Santo Padre João Paulo II a Cuba, em 1998. O Arquiabade Jeremias Schröder, OSB, da Arquiabadia de Sankt-Ottilien, aceitou o convite como uma fundação de vários Mosteiros pertencentes à Congregação Otiliense. A comunidade está vivendo provisoriamente em um antigo Convento carmelita, no bairro do Vedado. O futuro Mosteiro será construído próximo a Jaruco, 35 km a leste de Havana. A comunidade cuida do próprio sustento graças a uma pequena propriedade rural, proporciona hospitalidade e retiros, além de exercer algumas atividades pastorais. O primeiro monge chegou a Havana no dia 17 de setembro de 2008. Em setembro de 2009, a comunidade inicial formada por seis monges provenientes do Togo, Alemanha e Filipinas, já estava reunida no endereço provisório, que é o seguinte:
Monasterio de la Epifanía del Señor
Monjes Benedictinos
Iglesia del Carmelo
Calle Línea 1114 Esq. con 16 Velado
Ciudad de La Habana 10400
Cuba
Tel.: + (53) 7 833 4 789
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

As fundações da Ordem dos Cistercienses da Estrita Observância (Trapistas), ocorridas nesse mesmo período, são as seguintes:

• Mosteiro «Beata Maria Fons Pacis», Alepo (Síria)
Em março de 2005, um pequeno grupo de monjas do Mosteiro de Valserena (Itália), se estabeleceu em Alepo (Síria), para se adaptar ao país e dar início a uma nova comunidade monástica trapista. Seu ponto de partida foi o desejo de assumir a herança dos sete monges trapistas de Tibhirine (Argélia), assassinados em 1996. Ou seja, o que eles nos legaram, mais forte do que a morte, que foi o seu testemunho de vida, toda ela dedicada a Deus e oferecida com amor a todos os irmãos que os rodeavam, fossem eles cristãos ou muçulmanos. Em Alepo, antiqüíssimo ponto de referência do cristianismo, as monjas se deram conta de quão importante é apoiar a presença dos cristãos árabes no Oriente Médio. Para realizar o projeto da fundação do Mosteiro «Beata Maria Fons Pacis» naquela localidade, contando com a bênção do Vigário Apostólico latino e do Bispo maronita de Tartous, além do auxílio de vários amigos, a irmãs puderam comprar um terreno sobre uma colina no vilarejo maronita de Azeir, perto da fronteira com o Líbano, e em março de 2008, acompanhadas em procissão pela população local, depois da Missa paroquial, implantaram a cruz de fundação no ponto mais elevado do terreno. Maiores informações poderão ser obtidas em: www.valserena.it

• Mariakloster, Munkeby (Noruega)
Na Noruega, país socialmente avançado e muito secularizado, foi fundado mais um Mosteiro: Mariakloster. No dia 14 de setembro de 2009, quatro monges da Abadia de Cîteaux (França) se estabeleceram em Munkeby («lugar de monges») para dar início à primeira fundação de Cîteaux desde o século XV. O lugar está situado próximo ao fiorde de Trondheim, a 75 milhas da cidade do mesmo nome, a uma hora de Tautra (fundação de monjas trapistinas), logo abaixo do Círculo Polar Ártico, no paralelo 66, na vizinhança de um antigo Mosteiro cisterciense do século XII (Munkeby – «lugar de monges»), cujas ruínas ainda podem ser vistas. Os monges estão morando numa casa já existente no terreno e que mais tarde será a hospedaria, quando for construído o Mosteiro de modestas proporções. O projeto deles é de levar uma vida de simplicidade, ser uma presença de oração e de trabalho, e acolher a todos os que vierem, crentes ou não.
No âmbito ecumênico, os monges estão bem integrados a nível local; e no plano econômico, pretendem manter-se com a produção do famoso queijo da Abadia de Cîteaux. Para maiores informações: www.munkeby.net.

• Mosteiro de Nossa Senhora da Boa Vista, Rio Negrinho, SC (Brasil)
Finalmente, a última notícia que recebemos é sobre a fundação que o Mosteiro das Trapistinas de Quilvo (Chile) está realizando no sul do Brasil. No início do século XX houve uma tentativa de fundação de um Mosteiro trapista feminino, proveniente da França, em Nova Friburgo (Estado do Rio de Janeiro). Infelizmente a fundação não se desenvolveu e teve que fechar. Como estavam surgindo vocações femininas brasileiras, estas foram encaminhadas para o Mosteiro de Quilvo até que amadurecesse a possibilidade de uma fundação. Em 2008, os planos para esta fundação começaram a se concretizar e, em 2009, foi adquirida uma propriedade perto de Rio Negrinho, no Estado de Santa Catarina que ainda não contava com uma comunidade monástica. A novel comunidade compõe-se de oito irmãs: uma italiana, quatro chilenas e três brasileiras. Estão morando em uma residência provisória, enquanto aguardam a construção da primeira casa, que será a futura hospedaria, e da chocolataria, que será a principal atividade para assegurar o ganha-pão. O endereço do Mosteiro é:
Mosteiro de Nossa Senhora da Boa Vista
Caixa Postal 181
Rio Negrinho, SC
89295-000
Tel./Fax: (47) 3644-7128
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

nvlfondation

A todos os leitores, pedimos encarecidamente qualquer tipo de ajuda, seja espiritual (oração) ou material, para estas sete novas fundações das quais esperamos em breve estar recebendo as primeiras crônicas. Solicitamos igualmente que qualquer notícia de nova fundação das três Ordens (beneditina, cisterciense e trapista) seja comunicada ao Secretariado Geral da AIM, em Vanves (França).

Traduzido do castelhano por Almerinda Gonçales d’Almeida.

Utilisateurs connectés

Temos 55 visitantes e 0 membros em linha